sábado, 4 de outubro de 2008

"Crise" americana – crise de quê?


*Os bancos americanos quebraram porque usaram-se mutuamente como brinquedos especulativos

Durante muitos anos, os tipos de juro vigentes nos mercados financeiros internacionais foram excepcionalmente baixos. Isto fez com que os bancos vissem que a lucratividade do seu negócio diminuía, de vez que:

 a) Concediam empréstimos a um juro baixo;

 b) Pagavam alguma coisa pelos depósitos dos clientes (zero, no caso de o depósito ser realizado em conta corrente) e, além disto, cobravam taxa de manutenção, pagavam ‘menos algo’.

Entretanto, a margem de intermediação (“a” menos “b”) decrescia. Nos Estados Unidos, então, ocorreu a alguém que os bancos teriam de fazer duas coisas:

i) Conceder empréstimos mais arriscados, pelos quais podiam cobrar um juro mais alto. Neste caso, a idéia era oferecer hipotecas a um certo tipo de clientes, os ‘ninja’ (no income, no assets, ou seja, pessoas sem ingressos fixos, sem emprego fixo, sem propriedades), cobrar-lhes um juro mais alto, porque era mais arriscado, e aproveitar o boom imobiliário que havia no mercado norte-americano. Além disto, cheios de entusiasmo, decidiram conceder créditos hipotecários por um valor superior ao valor da casa que o ninja comprava, porque, com o citado boom imobiliário, aquela casa, em poucos meses, valeria mais do que o montante dado em empréstimo. A este tipo de hipoteca chamaram “hipoteca subprime”.

Chamam-se “hipotecas prime” as que em pouca possibilidade de não serem pagas. em uma escala de classificação entre 300 e 850 pontos, as hipotecas prime valem entre 850 pontos as melhores e 620 as menos boas. Chamam-se “hipotecas subprime” as que têm mais risco de não serem pagas e valem entre 620 as menos boas e 300 as ruins. Além disso, como a economia norte-americana ia muito bem, o devedor hoje insolvente poderia encontrar trabalho e pagar a dívida sem problemas.

Este planejamento correu bem durante alguns anos. Nesses anos, os ninjas iam pagando as hipotecas nos prazos e, como lhes haviam dado mais dinheiro do que o que a sua casa valia, haviam comprado um carro, feito reformas na casa e tinham saído de férias com a família. tudo isto, certamente, a prazo, com o dinheiro a mais que haviam ganho e, em alguns casos, com o que lhes pagavam em algum emprego ou bico que haviam conseguido.

ii) Compensar a baixa margem de lucro aumentando o número de operações – 1000 x pouco é mais do que 100 x pouco.

Até aqui, tudo está muito claro, e também está claro que qualquer pessoa com bom senso, mesmo que não seja um especialista financeiro, pode pensar que, se algo dá errado, o desastre pode ser grande. Quanto ao ponto ii) (aumento da quantidade de operações):

a) Como os bancos iam concedendo muitos empréstimos hipotecários, o dinheiro deles acabava. A solução encontrada foi muito fácil: Pedir ajuda a bancos estrangeiros para que lhes emprestassem dinheiro, porque para alguma coisa serve a globalização. Com isto, o dinheiro que eu, hoje de manhã, depositei na agência do meu banco, pode estar, nesta mesma tarde, em Illinois (EUA), porque ali existe um banco ao qual o meu banco emprestou o meu dinheiro para que aquele banco americano o empreste a um ninja. É claro que o ninja de Illinois não sabe que o dinheiro chega a ele da minha cidade, e eu não sei que o meu dinheiro, depositado em uma entidade séria como é o meu banco, começa a estar em certo risco. Tampouco o sabe o gerente da agência do meu banco.

CONTINUA (em breve) – marque este blog nos seus favoritos para saber quando for publicada a seqüência deste artigo.

*Adaptado de nota do Partido Humanista

Lincoln Sobral




blog comments powered by Disqus

CEH-RJ

CEH-RJ
Venha Planejar a Nova Sociedade Conosco - Centro de Estudos Humanistas do RJ

CMEH II Simpósio out 2010


www.worldsymposium.org
Estude Inglês
Estude Espanhol

Clique para enviar e-mail:
Loading...

Encyclopedia Mythica

Philosophia Perennis

Tráfego