segunda-feira, 4 de maio de 2009

"Paz sim, passividade não!" - Augusto Boal (1931-2009)




A melhor maneira de homenagear este grande teatrólogo e provocador de mentes em favor das liberdades cidadãs é reproduzindo as suas próprias palavras e espalhando-as pelo ambiente virtual, onde ele também se encontra, neste momento
.

"Quanto a fase nacionalista do teatro foi sucedida pela nacionalização dos clássicos, o teatro chegou ao povo, indo buscá-lo nas ruas, nas conchas acústicas, nos adros de igrejas, no Nordeste e na periferia de São Paulo.

"Esses espetáculos, festas populares, eram gratuitos, mas o artista é um profissional. Conseguia-se apoio econômico que tornava o desenvolvimento possível.

"Já não se consegue. A platéia foi golpeada. Que pode agora acontecer?

"O único caminho que parece agora aberto é o da elitização do teatro. E este deve ser recusado, sob pena transformarem- se os artista em bobos de corte burguesa, ao invés de encontrarem no povo a sua inspiração e o seu destino.

"O beco não parece ter saída. A quem interessa que o teatro seja popular? Descontando- se o povo e alguns artistas renitentes, parece que a ninguém de mando e poder.

"Vindo o que vier, neste momento de morte clínica do teatro, muitos são os responsáveis: devemos todos analisar nossas ações e omissões.

"Que cada um diga o que fez, a que veio e por que ficou. E que cada um tenha a coragem de, não sabendo por que permanece, retirar-se."

Augusto Boal aderiu à Marcha Mundial pela Paz e a não-violência com a frase:

"Paz sim, passividade não!"

*-*-*

Imagem: Augusto Boal recebe o "Prêmio Transfronteiras pela Paz e a Democracia" no Teatro Abbey, em Dublin (Irlanda). 3 de abril de 2008. Fonte: Wikimedia commons.

blog comments powered by Disqus

CEH-RJ

CEH-RJ
Venha Planejar a Nova Sociedade Conosco - Centro de Estudos Humanistas do RJ

CMEH II Simpósio out 2010


www.worldsymposium.org
Estude Inglês
Estude Espanhol

Clique para enviar e-mail:
Loading...

Encyclopedia Mythica

Philosophia Perennis

Tráfego